segunda-feira, 29 de abril de 2013

Time to Say Goodbye

Our stay in Mozambique is coming to an end. We can say it was an extraordinary experience and we will surely miss this place. We will miss the people's smiles, the great landscapes and views, the sea breeze, the passing of time, so slow and yet so fulfilling. So here are a few more pictures for a last goodbye.



Hora do Adeus

A nossa estadia em Moçambique está a chegar ao fim. Podemos dizer que foi uma experiência extraordinária e que iremos com certeza ter saudades deste país. Vamos ter saudades dos sorrisos das pessoas, das vistas e paisagens incríveis, da brisa do mar, da passagem do tempo, tão lenta porém tão plena. Aqui ficam mais umas fotografias para um último adeus.













domingo, 28 de abril de 2013

Funny Days

Yesterday was a very funny day. We woke up at around 7am for a little job agreed upon the night before. We met the actor and comedian Mário Mabjaia who, knowing we are actors, invited us to participate on his TV show for the independent channel TIM. It was a completely unexpected invitation but we decided to take it and it couldn't have been better. It was a very amusing experience!! A lot of improvisation and a lot of laughs!
At night we decided to "shake that mambo" to celebrate. We went to the zouk music festival where we saw the band Kassav amongst others. We danced through the night and it was hard to get to sleep with so much rhythm.


Dias Engraçados

Ontem tivémos um dia muito engraçado. Acordámos pelas 7 da manhã para um pequeno trabalho acordado na noite anterior. Conhecemos o actor e humorista Mário Mabjaia que, sabendo que somos actores, nos convidou para participar no seu programa na televisão independente (TIM). Foi um convite completamente inesperado mas decidimos aceitar e não podia ter corrido melhor. Foi uma experiência muito divertida!! Muito improviso e muita risota!
À noite decidimos ir "abanar esse mambo" para celebrar. Fomos ao festival de música zouk onde ouvimos entre outros os Kassav. Dançámos pela noite fora e foi difícil adormecer com tanto ritmo.


sexta-feira, 26 de abril de 2013

Portraits of Mozambique / Retratos de Moçambique

Our Mozambique adventure is coming to an end. We're on our way to Maputo to spend our last days with our family and to prepare our next african adventure, which we are already looking forward to.
During this trip, in our four wheel machine that has given us so much, and already feeling a bit nostalgic, we reminisce stories and review photographs, and are assured that we won't forget all this that soon, but we'll come to that later, it's still not the time to say goodbye.
We've been wanting to share these photos for a long time. Faces that have crossed our path and for some reason caught our attention. Because they touched us with a story, sometimes with a simple look, and a lot of the times took upon request (probably due to the fact digital cameras allow you to see the pictures immediately - and the reactions are so good!). Therefore and always with permission, we did our best to capture the essence of these genuine eyes.
There are sayings that "who sees faces doesn't see hearts" or that "the eyes are the soul's mirror". We don't know if it's true but we strongly believe in it.
Thank you to all those who were photographed.






A nosso aventura por Moçambique está quase a chegar ao fim. Estamos a caminho de Maputo para os últimos dias em família e para preparar a nossa próxima aventura africana, para a qual já estamos ansiosos.
Durante esta viagem, na nossa máquina de quatro rodas que tanto nos proporcionou, e já com alguma nostalgia, relembramos histórias e revemos fotos, e ficamos com a certeza de que tão cedo não esqueceremos tudo isto, mas lá chegaremos mais tarde, ainda não é tempo de despedidas.
Há muito tempo que estamos com vontade de partilhar estas fotos. Rostos que se cruzaram connosco e que por algum motivo nos chamaram a atenção. Porque nos marcaram com uma história, às vezes com um simples olhar, e muitas vezes tiradas a pedido dos próprios (provavelmente pelo facto das máquinas digitais permitirem a imediata visualização das fotos - e que boas que são as reacções!). Assim sendo e sempre com autorização prévia, demos o nosso melhor para captar a a essência destes olhares genuínos.
É costume dizer-se que "quem vê caras não vê corações" ou que "os olhos são os espelho da alma". Não sabemos se assim o é mas acreditamos com muita força.
Muito obrigado a todos os fotografados.























Mozambique Island (24th of April)


If there was a prize for the destination in Mozambique most suggested by the many Portuguese we've met along the way, Mozambique Island would undoubtedly get it. It's not hard to understand why. Forget everything you've seen up till now and welcome to the island. Its very special charm, which like a friend said "at first it's unfamiliar, then it strikes root", is attributable to the Portuguese colonial era architecture and the Arab influence still present nowadays.

We chose the Island for our longest stop in Mozambique: five days to rest from the many kilometers done. And we do not regret it. Walks and promenades, where we came across Vasco da Gama and Luis De Camões statues and where it's difficult to stop taking pictures, lunches and dinners full of stories and nice food, terraces asking us to hold on until the sun sets, beaches with the clear water we love so much, a disco (Mira Ponte), where we obviously didn't miss the chance to dance till our feet hurt and from where the bridge can be seen, with one lane only, which brings us here and makes this island practically a peninsula.

If there's a character trait, quality or fault (or whatever you'd like to call it), that suits us, is the fact that we are restless. We like to explore anything within reach and as such, we took advantage of the short distance and our wish to celebrate life (and a birthday), to get on a dhow (a small sailboat) to Chocas beach. This is one of the most beautiful beaches we've seen around here: white sand, warm water... Well... Wonderful!

We loved the island, even after a little warning... We are so comfortable in this country that we left some clothes, a small black wood figure, amongst other things, in the car during the night. The result was a broken window... We've been robbed! It's true it could have happened anywhere in the world but it happened here. About three hours of sadness and let it go! As we've heard around here "Health is what matters, the rest is just stuff in life."

To finish our island story here are our sincere congratulations and thanks to Joana Clemente (Helpo's founder and a warrior in everything she does), to Carlos Almeida (Cazé, Helpo's national director in Mozambique and leader of many laughs), to Duarte Marques (sponsor and head of the NGO) and finally to Sara (volunteer who's determination made the Children's Activity Center in the island be so successful). We wanna thank for the companionship and patience in satisfying our curiosity.

It's time to keep going, there's still a lot of kilometers to go. Bye Mozambique Island and see you some time!






Ilha de Moçambique (24 de Abril)

Se houvesse um prémio para o destino Moçambicano mais sugerido pelos muitos Portugueses com que nos temos vindo a cruzar, a Ilha de Moçambique seria indiscutivelmente o vencedor. Não é difícil de perceber o porquê desta preferência. Esqueçam tudo o que já viram até agora e sejam bem vindos à Ilha. O charme muito especial, que como nos disse um amigo "primeiro estranha-se depois entranha-se", deve-se à arquitectura da era Colonial Portuguesa e à influência Árabe, ainda hoje presente.

Escolhemos a Ilha para fazer a nossa maior paragem em Moçambique: cinco dias para descansar dos muitos quilómetros feitos até então. E não estamos nada arrependidos.
Passeios e passeatas, em que encontrámos a estátua de Vasco da Gama e de Luís de Camões e em que é difícil parar de tirar fotografias, almoços e jantares cheios de histórias e boa comida, terraços que pedem que esperemos mais um pouco só até ao pôr do sol, praias de água transparente como nós tanto gostamos, uma discoteca (Mira Ponte), onde como é obvio não perdemos a oportunidade de dançar até ficarmos com dores nas pernas e de onde, como o nome indica, se pode ver a ponte, com uma faixa apenas, que nos traz até cá e que transforma esta Ilha praticamente numa península.

Se há uma característica, defeito ou qualidade (chamem-lhe o que quiserem) que nos assenta que nem uma luva é o facto de sermos irrequietos. Gostamos de explorar tudo o que está ao nosso alcance e como tal, aproveitámos a proximidade e a vontade de festejar a vida (e um aniversário), para apanhar um dhow (pequeno barco à vela), com destino à praia da Chocas. É uma das praias mais bonitas que vimos por cá: areia branca, água quente e transparente... Enfim... Maravilhoso!

Adorámos a ilha, mesmo depois da chamada de atenção... Andamos tão à vontade nesta terra que deixámos algumas roupas, uma pequena estatueta em pau preto, entre outras coisas, no carro à noite. O resultado foi um vidro partido... Fomos assaltados! Podia ter acontecido em qualquer parte do mundo, é certo, mas aconteceu aqui. Cerca de três horas de tristeza e siga! Como ouvimos por cá "haja saúde, o resto são coisas da vida."

Para concluir a nossa história da ilha aqui ficam mais uma vez os nossos sentidos parabéns e agradecimentos à Joana Clemente (fundadora da Helpo e uma guerreira em tudo o que faz), ao Carlos Almeida (Cazé, Director nacional em Moçambique da Helpo, e líder de muitas gargalhadas), ao Duarte Marques (padrinho e membro da direcção da Helpo, que gostámos tanto de conhecer) e por fim à Sara (voluntária com o mérito de ser a responsável pelo o sucesso do CAI, Centro de Actividades Infantis). Agradecemos pelo companheirismo e pela paciência em satisfazer toda a nossa curiosidade.

É hora de seguir viagem, ainda há muitos quilómetros a fazer. Adeus Ilha de Moçambique até outro dia!











sexta-feira, 19 de abril de 2013

I Helpo, what about you?

There was a specific objective for us to come all the way up to Nampula. We wanted to get to know NGO Helpo's projects and work.
Helpo is a NGO founded in 2004 and based in Portugal. They work in various communities in Mozambique and São Tomé fulfilling the needs of thousands of children through Portuguese sponsors' funds.
It was a very rewarding experience. In Nampula we visited the Infantário Provincial de Nampula and the library created by the organization in the Escola Polivalente dos Missionários de S.João Batista do Marrere. We then went 500 kms further to Pemba to visit the child I sponsor in Pemba and her school (Escola Primária Completa de Impire). We were welcomed by the warm smiles of her family who even invited us over to their place. It was a very touching experience and it really makes you think...
We want to congratulate Helpo and all the sponsors for the fantastic work they've been doing and say a big THANK YOU to Ondina, Sara, Verónica, Tiago, Sílvia, Cazé and Joana for having us over.
If you want to know more or even contribute to make this world a better place follow the link:
www.helpo.pt :)




Eu Helpo, e Tu?

Tínhamos um objectivo específico para fazer o caminho todo até Nampula. Queríamos ficar a conhecer os projectos e trabalho da ONG Helpo.
A Helpo é uma ONG que foi fundada em 2004 em Portugal. Trabalham em várias comunidades em Moçambique e São Tomé satisfazendo as necessidades de milhares de crianças através de fundos de padrinhos portugueses.
Foi uma experiência muito recompensadora. Em Nampula visitámos o infantário provincial de Nampula e a biblioteca criada pela organização na Escola Polivalente dos Missionários de S.João Batista do Marrere. Depois ainda fizemos mais 500 kms até Pemba para visitar a criança que eu apadrinho e a sua escola (Escola Primária Completa de Impire). Fomos recebidos pelos sorrisos calorosos da sua família que até nos convidaram para ir a casa deles. Foi uma experiência muito emocionante e realmente dá que pensar...
Queremos dar os parabéns à Helpo e a todos os padrinhos pelo fantástico trabalho que têm feito e um grande OBRIGADO/A à Ondina, à Sara, à Verónica, ao Tiago, à Sílvia, ao Cazé e à Joana por nos terem recebido.
Se quiserem saber mais ou até contribuir a fazer deste mundo um lugar melhor sigam o link:
www.helpo.pt :)


Photos / Fotos:
- Infantário Provincial de Nampula
- Infantário Provincial de Nampula
- Helpo's Library / Biblioteca da Helpo
(Escola Polivalente dos Missionários de S.João Batista do Marrere)
- Maria Hermínio sponsored child / afilhada
- Maria's family at their place/ família da Maria na sua casa









terça-feira, 16 de abril de 2013

Quelimane - Nampula (15th of April)

530 kms achieved to reach Nampula! Tiring, but worth it!... You'll find out why on the next post.


Quelimane - Nampula (15 de Abril)

530 kms percorridos para alcançar Nampula. Cansativo, mas valeu a pena!... Saberão porquê no próximo post.



Road Trip: Vilanculo - Quelimane (14th of April)

940 kms in one day... Beautiful landscapes, beautiful country... And Quelimane's beautiful sunset :)


Road Trip: Vilanculo - Quelimane (14 de Abril)

940kms percorridos num só dia... Paisagens maravilhosas, país maravilhoso... E o pôr-do-sol lindíssimo de Quelimane :)











Bazaruto (14th of April)

The Bazaruto Archipelago consists on five main islands: the tiny Bangué, Magaruque, which is the closest to Vilanculo, Benguerra, Bazaruto (which has a massive dune from which the view is postcard like) and Santa Carolina. It's a protected area and as such there are daily fees to be paid when visiting which are usually included on the day trip prices. Camping is illegal and the only accommodation available is top end resorts. In a way it's good that it's protected but on the other hand the fees are too expensive for the locals to get to know their own islands, which is a shame...
The views are absolutely breathtaking, crystal waters and long stretches of sand.
Yesterday we went on a day trip to Bazaruto, Benguerra and the Two Mile Reef. All the islands are incredible, but there were a few things that made us a bit sad. There was a little bit of garbage as we entered the Bazaruto Island and there was a lot of dead coral on the reef (there were still lots of beautiful fish and maritime life but we just wish it won't get worse). We believe it may all be just from lack of information. People may not know that stepping on the coral and touching it can damage it, but it can be easily solved with a small briefing before tourists go on the day trips, just like we had in Southeast Asia on our snorkeling tours (although there's obviously some dead coral in Southeast Asia as well). The Bazaruto Archipelago is really a paradise on earth so let's do all we can to avoid it gets spoilt! We feel really privileged for being able to enjoy such magnificent islands!


Bazaruto (14 de Abril)

O Arquipélago de Bazaruto consiste em cinco ilhas: a minúscula ilha de Bangué, Magaruque, Benguerra, Bazaruto (que tem uma duna gigante da qual a vista é como um postal) e Santa Carolina. É uma área protegida e como tal há um imposto diário quando se visita o arquipélago que normalmente está incluído no preço dos passeios. É ilegal acampar e a única estadia possível é em resorts de luxo. Por um lado é bom que se pague pela proteção da área, por outro o imposto é caro demais para os habitantes locais que assim deixam de ter a possibilidade de conhecer as suas próprias ilhas, o que é uma pena...
As paisagens são de cortar a respiração, águas cristalinas e areais a perder de vista.
Ontem fizemos um passeio às ilhas de Bazaruto, Benguerra e ao Two Mile Reef. Todas as ilhas são incríveis, mas há algumas coisas que nos deixaram um pouco tristes. Há um bocadinho de lixo à chegada a Bazaruto e havia muito coral morto no reef (ainda assim havia milhares de peixes e vida marítima lindíssima só esperamos que a situação não piore). Acreditamos ser tudo apenas pela falta de informação. Talvez as pessoas não saibam que pisar e tocar nos corais pode danificá-los, mas este problema pode ser facilmente resolvido com um pequeno briefing antes dos turistas saírem para os passeios, tal como fizeram connosco nas nossas saídas para snorkelling no Sudeste Asiático (apesar de lá também haver algum coral morto, obviamente).
O Arquipélago de Bazaruto é sem duvida um paraíso na terra por isso vamos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para que não se estrague! Sentimos que é realmente um privilégio termos podido desfrutar destas ilhas magníficas!



Augusto - The local legend

Have you ever thought you'd meet a local hero?
Augusto is a 26 year-old from Argentina. He first came to Mozambique on a vacation and loved it so much he ended up leaving everything behind and staying.
On his first day in Vilanculo he noticed how low the tide was due to the new moon. That's when an idea came to his mind - crossing to Magaruque Island walking and swimming. You wouldn't think it's possible looking across to the island in the distance, but Augusto proved it wrong. He knew it could be possible with such a low tide and decided to wait for two weeks for the full moon to bring a similar one. He trained for days to be fit enough for the 10 kms crossing. One day he did half way across and got a dhow ride back, the next day he went a bit further and when the full moon arrived he finally made it all the way! And that's how he became the Vilanculo's legend which is spoken of across the country. The ironic thing was the guys who gave him the dhow ride back to the mainland turned him in to the police because he hadn't paid the Bazaruto Natural Park entrance fees. So after this achievement he still had to pay a fine... But he didn't. One and a half years later he's still living and working in Vilanculo and will soon become responsible for a conservation and community project in the Magaruque Island - a well deserved prize. ;)



Augusto - A lenda local

Alguma vez pensaram que iriam conhecer um herói local?
Augusto é um Argentino de 26 anos. Veio pela primeira vez a Moçambique de férias e gostou tanto que acabou por deixar tudo para trás e ficar.
No seu primeiro dia em Vilanculo reparou o quão baixa estava a maré devido à lua nova. E foi aí que surgiu a ideia de atravessar a pé e a nado até à ilha de Magaruque. Não parece possível quando olhamos para a ilha do outro lado tão distante, mas Augusto provou o contrário. Ele sabia que podia ser possível com a maré tão baixa e decidiu esperar duas semanas pela maré semelhante trazida pela lua cheia. Treinou durante dias a fio para estar em forma para a travessia de 10 kms. Um dia chegou a meio caminho e apanhou uma boleia de dhow de volta para terra, no dia seguinte foi um pouco mais longe e quando a lua cheia chegou conseguiu finalmente atravessar até à ilha! E foi assim que se tornou a lenda de Vilanculo que é conhecida pelo país inteiro. A ironia é que os homens que lhe deram a boleia de dhow de regresso a terra o entregaram à policia por não ter pago a entrada do Parque Natural de Bazaruto. Depois deste feito ainda teve de pagar uma multa... Mas não o fez.
Um ano e meio depois ainda vive e trabalha em Vilanculo e irá brevemente tornar-se o responsável por um projecto de conservação na ilha de Magaruque - um prémio merecido. ;)








sexta-feira, 12 de abril de 2013

Last days in Inhambane (9th of April)

There are lots of beautiful beaches and ways to enjoy the day in Inhambane. We stayed in Tofinho beach, next to the main Tofo beach, but less crowded, since there are no bars, restaurants or scuba dive centers and you can have the beach all to yourself.
Yesterday we took an ocean safari where we expected to see whale sharks, dolphins and corals but it ended up being a bit of a disappointment. We have swam with whale sharks before in our trip to the Philippines where we were lucky to see 7 of them in 2 hours. Although we were nervous with the idea of seeing them again we know you cannot control nature's ways, so maybe we weren't supposed to see them again this time.
Today was very rewarding though. We got a boat to Ilha das Conchas (Shell's Island) and got to see tons of starfish. It was unbelievable! It was like stepping on the sky, like the beach itself was a starry night.
Later on we packed again for a 4 hour drive to Vilanculo. We didn't want to drive for too long in the nighttime but ended up watching the most beautiful sunset on the way and arrived - at night - on time for a delicious seafood dinner.
There's nothing like going with the flow. :)




Últimos dias em Inhambane (9 de Abril)

Há muitas praias bonitas e maneiras de passar o dia em Inhambane. A nossa estadia foi na praia do Tofinho, ao lado da praia do Tofo, mas com muito menos gente, porque não há bares, restaurantes ou centros de mergulho e pode-se ficar com a praia só para nós.
Ontem fizemos um safari no oceano em que estávamos à espera de ver tubarões baleia, golfinhos e corais mas acabou por ser uma pequena desilusão. Já tínhamos nadado com tubarões baleia na nossa viagem às Filipinas onde tivemos a sorte de ver 7 deles em duas horas. Embora estivéssemos nervosos com a ideia de vê-los outra vez sabemos que não se pode controlar a vontade da natureza, por isso talvez não fosse suposto vê-los novamente desta vez.
No entanto o dia de hoje foi recompensador. Apanhámos um barco até à Ilha das Conchas e vimos milhares de estrelas do mar. Foi inacreditável! Foi como pisar o céu, como se a praia por si só fosse uma noite estrelada.
Mais tarde fizemos outra vez as malas para uma viagem de 4 horas até Vilanculo. Não queríamos andar demasiado tempo na estrada à noite mas acabámos por ver um pôr-do-sol maravilhoso a caminho e chegámos - de noite - a tempo de um delicioso jantar de marisco.
Não há nada como andar ao sabor do vento. :)





Magaruque - So close to paradise (10th of April)

We got on the traditional dhow in Vilanculo at around 8.30am. After a while there was some problem with the engine and the boat just started floating aimlessly. It was great that the engine stopped because it made the trip even more delightful. It allowed us to really listen to the local people singing on the passing dhows, be greeted by enormous smiles and be cradled by the sea. The engine started working again eventually and we got off at the island's southwestern corner for some snorkeling and just relaxing. Just as we thought this tropical paradise couldn't get better we were surprised by dolphins. In places like this everything is so peaceful and quiet, it's as if all our troubles are washed away.
Dinner time was a complete opposite experience. We went to a local place where Vilanculo's inhabitants pay 20 meticais to watch the football. It was crazy! Even though we were the only two foreigners in that crowded room we were welcomed very warmly. The friendliness of the locals sitting next to us made our crab matapa and squid even tastier. We heard expressions we had never heard before when they referred to the match:
"It's malaria, it'll end up going away"
"It's a mosquito sting, won't take too long"
And the most important one we should always keep in mind:
"Health is what matters, all the rest is just stuff in life"



Magaruque - Tão perto do paraíso (10 de Abril)

Entrámos no dhow tradicional em Vilanculo por volta das 8.30 da manhã. Passado um bocado houve um problema qualquer com o motor e o barco começou a flutuar à deriva. Foi óptimo que o motor tenha parado porque tornou a viagem ainda mais encantadora. Permitiu-nos ouvir os habitantes locais a cantar nos dhows que passavam, sermos cumprimentados por sorrisos gigantes e sermos embalados pelo mar. Eventualmente o motor voltou a funcionar e desembarcámos na ponta sudoeste da ilha para fazer snorkeling e relaxar. Quando pensámos que este paraíso tropical não podia ser melhor fomos surpreendidos por golfinhos. Em sítios assim tudo é tão calmo e pacífico que é como se todos os nossos problemas desaparecessem.
O jantar foi uma experiência completamente oposta. Fomos a um sítio onde os habitantes de Vilanculos pagam 20 meticais para ver o futebol. Foi uma loucura! Apesar de sermos os únicos estrangeiros naquela sala a abarrotar fomos muito bem recebidos. A simpatia dos que estavam sentados ao nosso lado fez com que a nossa matapa de caranguejo e a nossa lula soubessem ainda melhor. Ouvimos expressões que nunca tínhamos ouvido quando se referiam ao jogo:
"É malária, ha-de passar"
"É picada de mosquito, não leva tempo"
E a mais importante que devemos sempre ter em mente:
"Saúde é o mais importante, o resto são coisas da vida"












domingo, 7 de abril de 2013

Inhambane - The Land of Good People (6 de Abril 2013)


Today we came across a traditional wedding and joined the people in the dance. Pure joy celebrating love. :) 
We also heard for the first time the sound of an instrument we had never seen - the tchikizi. 
video


Inhambane - Terra da Boa Gente


Hoje deparámo-nos com um casamento tradicional e juntámo-nos à dança. Alegria pura na celebração do amor. :)
Ouvimos também pela primeira vez o som de um instrumento que nunca tínhamos visto - a tchikizi.

quarta-feira, 3 de abril de 2013

First Impressions

We thought we would be tired and would want to rest as soon as we arrived, but there´s an inexplicable energy that bursts in your body when you arrive in a different country. Enough energy to go out for a drink after dinner. We got to Gil Vicente Cafe Bar at around 11pm where we heard there would be a karaoke going on. It wasn't exactly the kind of karaoke we expected... Instead of a big screen with subtitles and lousy versions of well known songs, there was a band playing and people were singing holding on to a piece of paper with the lyrics. And the best of it was all the songs from Tina Turner's "Simply the Besty" to brazilian ballads sounded like a cool african tune.
In the morning we rested to the sound of the rain. There's not much to do when it rains, but we ended up having a very interesting day. We went to Maputo's market of Arts and Crafts. It's not really our thing to shop for souvenirs on the first day, but we always like to get some kind of amulet - a bracelet or ring. And I love to bargain! Well, I love to meet the locals in anyway I can, so from watching the vendors playing checkers to playing against them was a small step. I don't know how to play but Diogo went ahead and... lost. And then it became their turn to bargain for a beer... ;)
As we were leaving the market a group of four children came after us to sell us peanuts and cashew nuts for 20 meticais a bag. We wanted to be fair to all of them (but still bargain for a fair price) and decided we would give them 50 meticais for four bags and they would share the profit. We made them promise they would share it because we had no change. We trusted them and handed the note to the most quiet. Three of them gave us a bag of peanuts and we left, but realized the children were arguing about something behind us. We turned back and one of them handed us an extra bag, as we had agreed. Honesty is greatest richness.
For dinner we enjoyed the tastiest crab. There are no words to describe this extraordinary gastronomic experience except from "Yummi!!".




Primeiras Impressões

Achámos que íamos estar cansados e íamos querer descansar assim que chegássemos, mas há uma energia inexplicável que explode no nosso corpo quando chegamos a um país diferente. Energia suficiente para ir beber um copo depois do jantar. Chegámos ao Café Bar Gil Vicente por volta das 11 da noite onde sabíamos que ía haver uma noite de karaoke. Não era propriamente o karaoke de que estávamos à espera... Em vez de um écran com legendas e versões miseráveis de músicas conhecidas, havia uma banda a tocar ao vivo e as pessoas cantavam agarradas a um papel com a letra. E o melhor é que qualquer música desde o "Simply the Best" da Tina Turner até uma balada brasileira soava a música africana fixe.
De manhã dormimos ao som da chuva. Não há muito para fazer quando chove, mas acabámos por ter um dia muito interessante. Fomos ao Mercado de Artesanato de Maputo. Comprar souvenirs no primeiro dia não é propriamente um hábito, mas gostamos sempre de arranjar algum tipo de amuleto - uma pulseira ou um anel. E eu adoro regatear! Bem, adoro conhecer locais seja como for, por isso desde vê-los a jogar damas até jogar com eles foi um pequeno passo. Eu não sei jogar damas mas o Diogo foi em frente e... Perdeu. E depois foi a vez deles regatearem por uma cerveja... ;)
Quando estávamos a sair do mercado fomos abordados por quatro crianças que nos queriam vender amendoins e cajus por 20 meticais o saco. Queríamos ser justos para todos (mas ainda assim regatear por um preço justo) e decidimos dar-lhes 50 meticais por quatro sacos e que eles partilhariam o lucro.
Fizemo-los prometer que partilhariam porque não tínhamos dinheiro trocado. Confiámos neles e entregamos a nota à mais calminha. Três deles deram-nos um saco de amendoins e fomos embora, mas apercebemo-nos que as crianças estavam a discutir atrás de nós. Virámo-nos para trás e uma das crianças entregou-nos um saco de amendoins extra, como tinha ficado acordado. A honestidade é a maior riqueza.
Jantámos o caranguejo mais saboroso do mundo. Não há palavras para descrever esta extraordinária experiência gastronómica a não ser "yum yum!!".